O ESPÍRITO DO TEMPO

MORIN, Edgar




Código: ES 280

Coleção: EPISTEMOLOGIA E SOCIEDADE

Edição: 2015

ISBN: 978-989-759-058-0



14,31 €

  • Esta obra de Edgar Morin traduz, com relativa simplicidade, o processo de formação e consolidação da indústria cultural no século xx e os seus desdo-bramentos na vida prática das pessoas. É a visão de um pensador que vê o processo ainda em formação (o livro foi escrito nos anos 60), mas que já apresenta a lucidez quase teleológica de poder prever o que vai acontecer (e acerta, em quase todas as previsões). A indústria cultural tem gerado discussões acaloradas no meio académico. É palavra obrigatória nos primeiros anos dos cursos de Comunicação. É tema recorrente em Benjamin, em Adorno. Em Morin, o assunto é acessível, a análise é feita a partir da recolha do que há de cultural dentro da indústria cultural. A indústria cultural gera uma cultura. É sobre essa cultura (de massas) que Morin vai fazer a sua análise. Isola os mitos dessa nova cultura, os ícones que ela produziu, os comportamentos que ela nos propõe, para entender o processo cultural que atravessámos no século xx. Acima de tudo, é uma análise antropológica, contextualizada, bem fundamentada. Há três décadas atrás não havia internet, telemóveis. O mundo marxista ainda existia e tinha o seu próprio estilo de fazer indústria cultural de massa (Morin analisa-a, superficialmente). O livro transmite-nos o sabor de uma era passada. Mas, talvez, nisso mesmo esteja uma de suas maiores virtudes: Morin não previu este mundo exatamente como ele é hoje, mas analisou o mundo que via nessa época e traça, com bastante precisão, as linhas de desenvolvimento que nos levam a ver que internet e mundos virtuais são apenas novas versões de um mesmo e novo problema para os analistas sociais: compreender uma cultura que nasce, cresce e vive para o consumo. Um consumo cada dia mais intenso, mas simbólico, mas neurótico. Morin faz um belo diagnóstico da nossa doença, mas não tem a pretensão de apresentar a cura. O debate ainda exigirá muitas páginas de muitos livros. Este é apenas mais um deles, mas, certamente, um dos melhores e mais bem escritos.
    Close